E-BOOK MENINAS SUPER POÉTICAS

quinta-feira, outubro 16, 2008

Encontro e Desencontro


Eu não tenho medo do infinito, do imenso espaço em branco,
que nos encerram no entanto, numa busca constante pelo o pranto desconhecido, um amor perdido, talvez uma dor escondida, percorrida por caminho oculto, fico e reluto, e as vezes não escuto a voz da razão,
quando diz não ao meu coração.
esperança ou momento de desilusão, no canto do coração,
a palavra amor, insolada, escorada, pela a falsa sensação, como é relutante o desdém das emoções, que nos fere no profundo, sugando nossas forças e minando nossa razão, ah! encanto proibido, doce e inibido, pudera querer o relance do teu olhar, seria como o azul do mar, ao sussurrar, um gemido um querer, mesmo sem poder, doce sensação alcançaria a ilusão e traria de volta a luz do luar.
O teu sorriso, seria como a brisa, doce leveza do esperar, será proibido te amar? não sei quanto tempo vai durar! mas sei esperar, há uma esperança no ar!
fronteiras e mares, caminhos se cruzarem, levam os nossos sonhos, o deserto atravessar, o que esperamos encontrar? talvez uma certeza de amar, nunca relutar, ou deixar de amar, será que pode esperar? não sei explicar, mas a sensação me afoga na ilusão e me tiram as forças de sonhar, não sei tentar e nem me expressar, talvez essas linhas me sirva um dia de recordação, de uma sensação que o meu coração foi invadido e maltratado, pelo o amor esperado, sem saber explicar, a solidão, daria eu mais do que metade de mim, para te sentir e servir como invólucro para te proteger de todas as argúrias da vida. Sinto uma dor no peito que rasga sem jeito, na esperança de te encontrar, entre encontro e descontro, sei está lá, só quero te amar.


by,


Elizaete Ribeiro